Pecuária

Balizador Grupo Pecuária Brasil no Canal do Boi médias de 14 a 18 de Fevereiro

Informações foram passadas por pecuaristas ao balizador do GPB

20/02/2020 - 10:42 | Por Redação - SBA | Siga-nos no Google News

Confira as médias de preço do boi gordo. As informações foram passadas por pecuaristas ao balizador do Grupo Pecuária Brasil (GPB), no período de 14 de fevereiro até as dez e meia da noite do dia 18. Antes dos números, leia trechos do comentário do coordenador do balizador, Luiz Zillo, da Z1 consultoria pecuária.

“O período foi marcado por estabilização dos preços da @ nos estados informados no balizador. Houve até pequenas quedas, quase que imperceptíveis. E continuam, nos grupos sociais ligados ao GPB, relatos de retenção de bois no pasto, e a orientação de vender bois a conta gotas, somente o necessário.

As pastagens estão em boa qualidade, com abundância de forragem e podem manter o gado na engorda em casa, enquanto os melhores preços não vêm.
As exportações brasileiras vão muito bem. Em tese, as vendas externas favorecem a manutenção dos preços da @ nos patamares atuais.

Então, vivemos o seguinte quadro: existe demanda da indústria, e há retenção do gado no pasto, ou seja, menor oferta por parte dos pecuaristas.
E, ainda, possivelmente com o feriado de carnaval, aquecimento da demanda interna. No relatório anterior, foi dito que poderia haver, nesta semana, uma alta no preço, mas, até as dez e meia da noite de ontem, quando o relatório foi fechado, os valores se mantinham estáveis.”

A explicação do Luiz Zillo é a seguinte: “com a valorização da @ no período anterior, houve um aumento --não tão grande-- de oferta por parte dos pecuaristas, o suficiente pra alongar a escala, que subiu 1 dia na soma de todos estados. Na média, foi a 7,2 dias corridos”.

No período, o abate de fêmeas, na comparação, à semana anterior, voltou a crescer 10%, para 43,9 % do total dos abates. Para o Zillo, o aumento de abates de fêmeas pode ser uma das causas da estabilidade de preços da semana.

No período, os frigoríficos fizeram negócios entre estados: do Mato Gross do Sul para São Paulo e de Minas pra São Paulo. A indústria teve que buscar matéria prima fora do estado, devido à forte pressão dos pecuaristas por melhores preços e por pagamento à vista. A alternativa foi buscar gado de outros estados, onde as negociações eram realizadas com prazo de 30 dias. Segundo o Beto Zillo, é bom ficar atento a esse movimento das indústrias.

Confira a análise com telas: 

 

Compartilhar

Últimas Notícias