Economia

Própolis vermelho: uma especialidade da selva planta em Alagoas

Planta rabo-de-bugio de tons avermelhados, proporciona coloração diferente de própolis

30/08/2021 - 08:00 | Por Thauana Luares* - SBA | Siga-nos no Google News

A abelha africanizada, espécie científica Apis mellifera, é um híbrido do cruzamento de abelhas da África com nativas do Brasil, na época da colonização. 

O apiário é uma cultura de colmeias destinadas a criação de abelhas e extração de produtos. O própolis é composto de resinas vegetais, cera, óleos essenciais e pólen. Além disso, o ele é produzido com o intuito de proteção para as colmeias.

A diferença de cor do própolis destes insetos, está associada à origem botânica de onde é extraída a resina da seiva, e a espécie de abelha que a produziu. 

As abelhas africanizadas do Alagoas, coletam a seiva da  planta rabo-de-bugio, nos manguezais do estado, que contém tons avermelhados, proporcionando assim o própolis vermelho do inseto.

Abelha no tronco da árvore rabo-de-bugio em Alagoas. Foto por Ouro Vermelho
Abelha em tronco da árvora rabo-de-bugio em Alagoas. Foto por Ouro Vermelho

“A nossa própolis é extraída de uma origem botânica dos manguezais aqui de Alagoas, de uma planta popularmente conhecida como rabo-de-bugio, e de nome científico de Dalbergia ecastophyllum. A abelha Africanizada, é a que tem mais em ambulância aqui na nossa região, ela faz a coleta da seiva do caule desta planta, para fazer a própolis vermelha, aí então a diferença não está na raça da abelha e sim na origem botânica do pasto apícola”, aponta o fundador e sócio proprietário da Própolis Ouro Vermelho, Cícero Rocha.

Segundo informações com Cícero Rocha, a própolis tradicional no mercado atualmente tem custado em média R $600,00 reais o quilo, enquanto a própolis vermelha está avaliada em R $1.000,00 reais o quilo.

“Existe uma diferença entre a verde e a vermelha no valor. A verde hoje está custando no mercado na média de seiscentos reais o quilo e a vermelha custa mil reais. A gente hoje produz uma média de dez mil unidades de extrato de própolis mês, produção de dez mil unidades de frascos de trinta mililitros. Cerca de 10% da matéria prima é produzida pela empresa e 90% é produzida por apicultores da região, uma média de dez quilos da empresa e noventa quilos dos apicultores”, afirma Rocha.

Apiários da Ouro Vermelho na região dos mangues de Alagoas. Foto por Ouro Vermelho

O apicultor do município de Roteiro, Josivan Manoel Medeiros, trabalha com apicultura há 5 anos, seus 30 apiários localizam-se entre os mangues e a mata de Alagoa(AL), em uma área arenosa, onde ficam suas 200 abelhas. Segundo ele, cada apicultor da região produz em média oito quilos de própolis por mês e os gastos por cada inseto é em torno de dez reais por semana.

“A gente produz por mês, oito quilos de própolis mais ou menos cada apicultor, e o valor do próprio vermelho é do própolis tradicional, a diferença dele é mais ou menos seiscentos reais, setecentos reais, varia do local.  Aqui no nosso município aqui em Alagoas e em outros casos”, aponta Medeiros.

Retirada e avaliação do própolis vermelho. Foto Ouro Vermelho

Benefícios

As abelhas são importantes polinizadoras ecológicas, cerca de 90% das plantas dependem de polinização para completarem seus ciclos de crescimento e produção de flores e frutos. A partir disso, 87% da polinização de plantas é feita pelas abelhas.

Os zangões e as operárias, vivem por até quarenta e dois dias, exceto a rainha que chega a durar três, quatro anos, mantendo assim, uma taxa de natalidade e mortalidade em equilíbrio, dentro da colmeia.

A temperatura ideal para a existência das abelhas varia de 30 a 35 graus célsius, devido a necessidade para procriação destas. Além disso, para auxiliar a colmeia em períodos com frios ou calor excessivo, as operárias são responsáveis pelo equilíbrio da temperatura.

 

Foto de capa Ouro Vermelho.

Compartilhar

Últimas Notícias