Economia

Nuvem de gafanhotos: MS cria comitê para monitoramento e eventuais estratégias de combate

Medida foi tomada de forma preventiva devido à proximidade com o Paraguai; estado não registra foco dos insetos

25/06/2020 - 18:15 | Por Redação - SBA | Siga-nos no Google News

Sem presença da praga no território de Mato Grosso do Sul, autoridades e atores envolvidos na Agricultura se anteciparam e criaram um comitê para fazer o monitoramento e definir ações caso venha a ocorrer eventuais ataques de gafanhotos nas lavouras.

O assunto foi tratado em reunião virtual realizada na manhã desta quinta-feira (25), com as presenças do secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck; do superintendente federal de Agricultura, Celso Martins; do superintendente de Produção e Agricultura Familiar da Semagro, Rogério Beretta, do presidente da Famasul, Maurício Saito; do presidente da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), Daniel Ingold; André Dobashi (presidente) e Frederico Azevedo (diretor-executivo) da Aprosoja (Associação de Produtores de Soja).

“Essa praga já é conhecida e vem sendo monitorada há muitos anos, tendo sido formado, inclusive, um Comitê Internacional para fazer esse acompanhamento. Aqui no Estado nós estamos tomando ações preventivas. É importante deixar claro que não temos a ocorrência da praga em nenhuma lavoura de Mato Grosso do Sul. O que acontece é que recebemos informação da existência de focos na região do Alto Paraguai, no país vizinho. Não se trata de nuvem como na Argentina, apenas focos. Sabemos que num eventual trajeto em direção ao Brasil, o próprio Pantanal seria uma barreira natural. Mesmo assim estamos discutindo a forma de um combate preventivo, caso seja necessário. Para tanto um Comitê Estadual envolvendo a Semagro, Iagro, Famasul e Ministério da Agricultura, com apoio também do Imasul, que fará o monitoramento e tem autonomia para definir ações”, explicou o secretário Jaime Verruck.

 

Região do Alto Paraguai, no país vizinho a Mato Grosso do Sul, possui focos da presença dos insetos

 

O presidente da Famasul, Maurício Saito, disse que a entidade vai se mobilizar e solicitar aos produtores rurais para que informem sobre a presença da praga nas lavouras, caso venha a ocorrer, para que medidas imediatas sejam tomadas. André Dobashi, da Aprosoja, diz que um meio eficaz de combate à praga seria com uso de aeronaves. Reforçam, entretanto, que a criação do comitê é uma medida preventiva, tendo em vista que não há notícia da ocorrência da praga no Estado.

Exterior
O Ministério da Agricultura baixou portaria declarando estado de emergência fitossanitária nas áreas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina devido a uma nuvem de gafanhotos oriundos da Argentina que ameaçavam alcançar o território brasileiro. A chegada de uma frente fria no Sul mudou a direção dos ventos, podendo fazer com que os insetos permaneçam em território argentino ou sejam desviados para o Uruguai.

Segundo informações do Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), os gafanhotos surgiram em grandes números em janeiro de 2017 na Bolívia e, posteriormente, foi registrado o mesmo problema no Paraguai. Os dois países receberam ajuda técnica da Argentina, dando origem ao Programa de Gerenciamento Regional de Gafanhotos da América do Sul, que hoje inclui acordos de cooperação técnica.

 

Informações por Semagro/ Foto de capa: Divulgação Senasa

Compartilhar

Últimas Notícias