Assista agora:
Agricultura

Canal do Boi estreia coluna voltada para tecnologia Agro 4.0 com Octaciano Neto

Ex-secretário de Agricultura do ES abordará temas como o avanço e adoção de novas tecnologias no campo

01/05/2020 - 08:21 | Por Douglas Ferreira - SBA | Siga-nos no Google News

Em maio o Canal do Boi estreia a coluna “4.0 no Campo” com Octaciano Neto, que foi secretário de Agricultura do Espirito Santo (ES) entre 2015 e 2018, presidente do Conselho de Secretários de Agricultura do Brasil (Conseagri) em 2017. Segundo ele, a produção agropecuária brasileiro deu um salto muito significativo a partir da década de 70, ele atribui a criação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e também institutos de pesquisas estaduais.

“Um dado que explica isso, é do Censo de 2006, que aponta 70% do aumento de produção da nossa agropecuária tem a ver com tecnologia adotada em campo. Comprova o que eu disse antes, da importância da Embrapa e instituições de pesquisa. 20% trabalho, em função da força do trabalho e apenas 10% por ampliação da área. A explicação toda é baseada no avanço tecnológico no campo brasileiro, seja agricultura, na pecuária, e agora nós estamos em um momento de dar um novo salto, com a Agricultura 4.0, que é levar o conjunto de novas tecnologias que não tem a ver exclusivamente com insumos, e sim um conjunto de novas tecnologias sustentadas na transformação digital”, comenta Octaciano.

Neto reitera que há uma conexão entre digitalizar os processos agropecuários. “O trator que pulverizava um determinado plantio, utilizava um agroquímico na mesma quantidade em toda lavoura. Agora é diferente, já existe tecnologia que é possível fazer um mapeamento. Por exemplo com o uso de drone, o produtor aplica de acordo com a necessidade de cada indivíduo (planta). O produtor consegue economizar recurso, proteger o meio ambiente e ser mais eficiente”.

Essas mudanças são divididas em três dimensões. “A primeira, antes das propriedades rurais podemos partir em subdimensões, laboratoriais, controle biológico, autonomia compartilhada, fertilizantes e nutrientes, parte de biotecnologia, nutrição e saúde animal. A segunda dimensão, dentro da fazenda, trabalhando com agricultura de precisão, diagnóstico por imagem, gestão de resíduos de água, internet das coisas, máquinas e equipamentos tornando as coisas mais eficientes [autônomas], sem necessidade de tratorista, a parte de irrigação, tornando mais automatizada, conectada com informações meteorologias, monitoramento do campo e remoto. A terceira, depois da fazenda, nesse a gente apresenta os alimentos inovadores, novas tendências alimentares”.

O 4.0 no Campo tratará exatamente sobre essas dimensões, os avanços tecnológicos que são desenvolvidos: antes, dentro e depois da fazenda. No ano passado a Embrapa em parceria com a SP Ventures, a consultoria Homo Ludens e com apoio da StartAgro, da ACE e do Centro Universitário FEI divulgou o Radar AgTech Brasil, nele foi constatado que em São Paulo concentra um alto número de empresas startups do setor agropecuário, cerca de 400 das 1.125 de todo Brasil. O estudo identifica a distribuição geográfica das AgTechs, segmento de atuação e categoria (antes, dentro e depois da porteira), além de disponibilizar informações sistematizadas sobre localização, website e contatos das empresas.

Dentre os dados coletados, cerca de 90% das empresas voltadas ao agro estão nas regiões sul e sudeste do país. As cidades que concentram o maior número delas são: São Paulo (262); Piracicaba (41); Campinas (38); Ribeirão Preto (37); Curitiba (36); Rio de Janeiro (35); Porto Alegre (29); Belo Horizonte (24); Florianópolis (21); Uberlândia (19); Goiânia (17); São José dos Campos (17); Londrina (15); Campo Grande (14); São Carlos (14), etc.

O relatório indica também a distribuição das startups por regiões, sendo que a maioria foi constatada na região Sudeste (738); seguido do Sul (261); Centro-Oeste (70); Nordeste (39) e, por fim, região Norte (17). Já com relação aos dez principais Estados, São Paulo é o primeiro da lista, com 590 empresas mapeadas. Em seguida, aparecem Paraná (102); Minas Gerais (99); Rio Grande do Sul (89); Santa Catarina (70), Rio de Janeiro (41), Goiás (22); Mato Grosso (18); Mato Grosso do Sul (17) e Distrito Federal (13).

Compartilhar

Últimas Notícias