Agricultura

Fim do vazio sanitário e início do calendário de plantio da soja em setembro

Diferentes estados se preparam para início da semeadura e especialista fala sobre os cuidados na hora do plantio

16/09/2019 - 07:00 | Por Pâmela Machado* - SBA

O vazio sanitário corresponde ao tempo de no mínimo 60 dias que não se pode semear ou ter plantas voluntárias no campo. O objetivo da medida é reduzir a sobrevivência da ferrugem-asiática durante a entressafra, atrasando a incidência da doença na safra. Neste mês de setembro o vazio sanitário termina nos estados de Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. A partir do fim do vazio, os estados se preparam para iniciar o calendário da semeadura de soja.

Paraná
No Paraná, o calendário da semeadura já iniciou dia 11 de setembro e vai até 31 de dezembro. Segundo o presidente da Associação dos produtores de Soja e Milho do Paraná (Aprosoja-PR), Márcio Bonesi as expectativas para esta safra são menores que de anos anteriores, devido aos altos custos de produção e o início do plantio atrasado por fatores climáticos. “As previsões climáticas com relação às chuvas estão distantes e com distribuição irregulares. Sendo assim os produtores estão esperando previsões climáticas mais seguras para iniciar os plantios da safra de soja 2019/2020”.

Santa Catarina
O calendário da semeadura vai iniciar dia 15 de setembro e vai até 10 de fevereiro em Santa Catarina. O presidente da Aprosoja-SC, Alexandre Alvadi Di Domenico afirma que a expectativa para a próxima safra de soja é positiva. Segundo Alexandre Domenico, o estado preza pela produtividade e se prepara para a próxima safra, com uma área plantada esperada de 2,5 milhões de hectares. “Nosso produtor é sempre organizado, já está com semente pronta e os tratores estão prontos. Então dando essa sequência do milho, já vamos partir em outubro para a soja”.  

Mato Grosso
Em Mato Grosso, o calendário da semeadura vai iniciar dia 16 de setembro e vai até 31 de dezembro. O diretor executivo da Aprosoja-MT, Wellington Andrade afirma que o estado planta uma área de 9,7 milhões de hectares de soja. Segundo o diretor, o produtor está cauteloso devido a custos altos, margens apertadas e o clima. Wellington Andrade ressalta que as chuvas estão previstas para normalizarem em novembro, no estado.“Depois daquela estiagem de 2016, o produtor ficou muito precavido com esse negócio de jogar semente na poeira. Ele vai esperar ter o mínimo de umidade no solo para ele poder iniciar o plantio”. 

Mato Grosso do Sul
No estado sul-mato-grossense, o calendário da semeadura vai iniciar dia 16 de setembro e vai até 31 de dezembro.

Goiás
Em Goiás, o calendário inicia dia 25 de setembro e vai até 31 de dezembro. Segundo o 1° vice-presidente da Aprosoja-GO, Joel Ragagnin, as expectativas para safra 2019/2020 no estado de Goiás são positivas, com base no nível de investimento de produtores. Joel Ragagnin afirma que as chuvas são esperadas para a primeira semana de outubro, para início do plantio. Além disso, ele destaca um possível aumento na área de plantio. “A expectativa em relação a área plantada no estado de Goiás é um ligeiro aumento para a safra 2019/2020. Não é possível precisar qual será o tamanho da área e que tipo de culturas serão instaladas, mas nós acreditamos que ocorrerá um ligeiro aumento da área plantada em relação a safra 2018/2019”. 

Cuidados com a semeadura

O engenheiro agrônomo e mestre em produção agroindustrial, Edson Borges destaca que o produtor deve tomar algumas medidas antes de iniciar a semeadura, como a busca por condições de campo ideais. Segundo Edson Borges, o cuidado na hora do plantio resulta em uma colheita positiva. “É importante que o produtor não tenha tanta pressa de plantar, que aguarde a primeira chuva, a segunda chuva e às vezes até a terceira chuva, para que o solo possa ter condições ideais”.

 

Loading...

Loading...

 

Edson também destaca questões que possam garantir melhor produtividade. “O produtor tem que entender que a estrutura de solo dele é muito importante, isso que vai fazer com que ele ganhe aumento de produtividade.  Então você tem que fazer um perfil, uma adubação mais ajustada, uma análise do solo e agricultura de precisão”.

Edson Borges ressalta que é importante se preocupar com a parte genética na hora de escolher as sementes. “Compre uma variedade que tem um ciclo adequado, um potencial produtivo bom. Pegue uma variedade que esteja ajustada a sua região e suas características de solo, para que ela possa ter um potencial produtivo dentro do esperado”.

Por fim, o engenheiro destaca que o acompanhamento de um consultor na hora da nutrição de plantas é fundamental para fazer os ajustes da produtividade, assim como o controle de pragas. “Fazendo essas coisas com tranquilidade e com cautela é que ele vai garantir a produtividade. Controlar ervas daninhas, insetos, doenças, não aumenta a produtividade, mas faz com que tudo que ele fez de certo não se perca”.

*Matéria com supervisão de Douglas Ferreira

Compartilhar

Últimas Notícias