Agricultura

Rio Grande do Sul emite alerta fitossanitário para cigarrinha do milho

Alerta foi emitido pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do estado

31/08/2021 - 10:54 | Por Redação - SBA | Siga-nos no Google News

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) do Rio Grande do Sul emitiu alerta fitossanitário para a ocorrência de Dalbulus maidis, mais conhecida como cigarrinha do milho, nas lavouras de milho do estado.

O alerta foi baseado em estudo desenvolvido pela Secretaria da Agricultura e pela Emater, sob a coordenação do Mapa, que juntas fizeram o monitoramento das lavouras de milho afetadas. 

Também foram considerados relatos de ocorrência recente de Dalbulus maidis nas lavouras já nos estágios iniciais desta safra, no histórico de infestações da safra anterior e na previsão de poucas chuvas para o próximo período.

As principais recomendações de controle são:

  • Eliminar plantas de milho espontâneas da entressafra
  • Utilizar cultivares tolerantes à cigarrinha e enfezamento
  • Efetuar o tratamento fitossanitário de sementes
  • Efetuar o plantio do milho evitando a proximidade de lavouras novas a lavouras mais velhas ou áreas com ocorrência de infestação anterior.
  • Evitar semeadura sucessiva de milho na mesma área
  • Otimizar o planejamento da cultura, preferindo períodos ótimos em detrimento de semeaduras tardias. 
  • Objetivar diminuir as perdas de grãos durante a colheita.
  • Efetuar o controle da cigarrinha do milho conforme orientação técnica.

O monitoramento foi realizado entre abril e maio deste ano em 151 municípios gaúchos, quando foram observadas as maiores infestações. Neste período, foram colhidas 179 amostras em lavouras de milho. 

As amostras foram encaminhadas para o Laboratório Federal de Goiás (LFGO) para identificação dos patógenos associados ao complexo do enfezamento do milho e levantamento de dados para caracterização epidemiológica.

As análises identificaram a presença dos patógenos associados ao enfezamento em 44% das amostras. “Isso evidencia o risco de aumento da ocorrência de enfezamento do milho nesta safra, já que é a cigarrinha que transmite esses patógenos e eles estão ocorrendo em diversas regiões do estado”, afirma o chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da SEAPDR, Ricardo Felicetti.

Para maiores informações sobre o manejo e orientações de ingredientes ativos para controle, a Seapdr recomenda a utilização do documento Manejo da Cigarrinha e Enfezamentos na Cultura do Milho, disponível aqui: Cartilha cigarrinha e enfezamentos Embrapa.

 

 

Informações por Seapdr/ RS

Foto de capa por Fabiano Bastos/ Embrapa

Compartilhar

Últimas Notícias