Pecuária

Embrapa e Nestlé vão desenvolver protocolo para leite de baixo carbono

Parceria foi assinada no final de fevereiro

03/03/2021 - 09:59 | Por Redação - SBA | Siga-nos no Google News

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Nestlé vão desenvolver um protocolo para pecuária de leite de baixo carbono. Além da redução das emissões, o projeto prevê o aumento da remoção dos gases de efeito nas propriedades produtoras de leite. Indicadores de sustentabilidade da Embrapa e a implementação de boas práticas de produção nas fazendas leiteiras, vão integrar o protocolo e auxiliar no objetivo da Nestlé de neutralizar todas as emissões de suas operações, incluindo suas cadeias de fornecimento, até 2050, com metas intermediárias de redução de 20% até 2025 e de 50% para 2030.

A parceria foi assinada no final de fevereiro. As etapas para o desenvolvimento do protocolo para pecuária de leite de baixo carbono, começam a ser executadas nos próximos meses.

A entidade de pesquisa, desenvolve tecnologias para tornar a agropecuária eficiente e produzir alimento de forma sustentável. Sistemas de Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), recuperação de pastagens degradadas e uso de aditivos na nutrição, têm mostrado bons resultados na redução de emissões, no sequestro de cabono e contribuído para o desenvolvimento de uma agropecuária em harmonia com o meio ambiente, e em sintonia com as tendências do mercado nacional e internacional.

O chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Pecuária Sudeste, Alexandre Berndt,localizada em São Carlos (SP), a produção de leite de baixo carbono afirma que o projeto é ousado. “Para se chegar ao leite de baixo carbono é preciso adotar diferentes tecnologias, boas práticas de manejo na fazenda, nutrição, estrutura de rebanho e uso de sistemas integrados e florestas plantadas. O protocolo envolverá ações coordenadas para que os produtores incorporem na fazenda ferramentas e práticas sustentáveis de produção”

Os protocolos serão elaborados por bioma e sistema de produção, que irão servir de base para o desenvolvimento de uma calculadora de balanço dos gases de efeito estufa (GEE) e um sistema digital de monitoramento por meio de aplicativo.

De acordo chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Pecuária Sudeste, André Novo, os dados da pesquisa serão abertos. Desta forma, qualquer produtor de leite ou empresa terá acesso às informações geradas pela parceria.

Com informações Embrapa / Foto de Capa: Gisele Rosso

Compartilhar

Últimas Notícias