Agricultura

Datagro apresenta avaliação do mercado da soja nesta terça-feira

Datagro aponta estoques de passagem mais uma vez bem reduzidos, com apenas 355 mil toneladas

02/04/2019 às 10h   |   Por Fabiano Reis - Canal do Boi

Foto: Divulgação

Na manhã desta terça-feira, 2 de abril, a Datagro promoveu uma coletiva de imprensa para apresentar os últimos levantamentos e impressões sobre a safra brasileira de soja e milho e, também, os fatores ligados ao mercado. No aspecto de campo, Flávio França Júnior, analista de mercado de grãos, confirmou a área da produção de soja 2% maior; bom nível tecnológico, colheita em 77,9% (4,5 p.p. superior à média); perdas elevadas com o veranico de dezembro e janeiro no Centro-Sul; preocupações com a fronteira agrícola do Matopiba; previsão de produzir 113 milhões de toneladas e exportar 68,50 milhões de toneladas.

Em um dos painéis apresentados, França Jr mostra a colheita em cada um dos estados produtores, adiantados, individualmente, quando comparados à média dos últimos cinco anos. O País todo encontra-se agora em 77,9% da área colhida, contra 73,4% de média nas últimas safras.

No quadro de oferta e demanda, Datagro aponta estoques de passagem mais uma vez bem reduzidos, com apenas 355 mil toneladas. "O potencial de safra era de 126 milhões, 125 milhões de toneladas, reduziu bastante e agora está em 113 milhões de toneladas", afirmou França Júnior, ao destacar que a última estimativa estava em 112 milhões de t e também as preocupações climáticas existentes na fronteira agrícola do Matopiba.

A equipe do Canal do Boi questionou França Júnior sobre quanto os estoques maiores dos EUA e o provável acordo com a China poderiam impactar nas exportações brasileiras. A analista respondeu que traz impacto, para o prêmio pago nos portos do Brasil, mas com compensação na alta para os negócios em Chicago. Também destacou que no volume não há nenhum problema, já que a safra do País também é menor.

Entretanto, uma afirmativa importante do analista foi em torno da necessidade chinesa. "Não está havendo redução de consumo na China", ao citar as carnes, principalmente suína.

Em torno das questões de mercado, o analista da Datagro explicou que o mercado interno 2019 tem situações positivas e outras nem tanto. A favor, França Júnior destacou produtores capitalizados; prêmios positivos; Chicago acima de 2018 e vendas antecipadas remuneradoras. No ambiente contrário, o maior custo de produção; câmbio instável (provavelmente mais baixo, dependendo das ações do novo Governo; CBOT ainda abaixo da média; prêmios dependendo da solução para conflito comercial entre EUA e China, mas provavelmente, mais baixo.


Últimas Notícias

Comentários