Agronegócio

Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados realiza debate sobre o produto

Instruções normativas começarão a valer no próximo dia 30

13/05/2019 às 09h   |   Por Douglas Ferreira - SBA

Fotos: Tony Oliveira

Na última quinta-feira a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) esteve presente na reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para debater as novas diretrizes da qualidade do leite produzido no Brasil.

As Instruções Normativas (IN) 76 e 77/2018, que preveem as novas regras começam a valer próximo dia 30 de maio. Durante o encontro especialistas convidados pela cadeia produtiva mostraram ao Mapa pontos específicos das normas que não seriam possíveis praticar. A primeira delas trata-se da obrigação dos laticínios em manter o leite em suas dependências a uma temperatura constante de no máximo 4°C.

Conforme o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) setor Clima Temperado, Marcelo Bonnet, essa nova regra determina mudanças ao regime intenso de ajustes do lado das indústrias, também conta com várias outras questões, como a logística de coleta de leite, fornecimento de energia e avanços na obtenção de propriedades de leite com maior qualidade.

Outro fator importando acerca do artigo 8º da IN 76, ele impõe que o leite em estoque nos silos das indústrias apresente limite máximo para Contagem Padrão em Placas (CPP) de até 900.000 UFC/ml (unidades formadoras de colônia por mililitro) antes do seu processamento.

O Mapa diz que irá analisar os documentos elaborados pelos especialistas e definirá até o final do mês se as mudanças propostas pelas Instruções Normativas 76 e 77 realmente entrarão em vigor.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação CNA


Últimas Notícias

Comentários